Will Smith no seu momento alto

Na noite dos Óscares, o ajuda e o comediante Chris Rock uma sóbria piadada Pinkett Smith, mulher de Will Smith. Chamou-lhe “GI Jane”, gozando com o problema de saúde e de alopecia de que esta actriz padece. Jada não se riu e abanou a cabeça. O seu marido, Will Smith, deu-se, sofreu ao palco e uma chapada a Chris Rock. Voltou a sentar-se e disse: “Deixa o nome da minha mulher fora da tua #!* boca.” Chris Rock desvalorizou, dizendo: “Faith uma piada de GI Jane!” Ao que Will Smith repete veementemente a mesma frase, “Deixa o nome da minha mulher fora da tua #*! boca.” Chris Rock aceita, “Sim, você vai fazer isso”.

Will Smith ganhou um Óscar e chorou no seu discurso ao aceitá-lo. Digamos que uma arte imitou a vida e ele parecia um personagem maluca que tinha interpretado. Pediu desculpa e afirmou “é o amor que te faz fazer coisas malucas”.

A opinião pública e a mídia parecem estar mais do lado do Chris Rock. Clear that todos vemos o valor da liberdade de expressão e que ninguém, especialmente no mundo da comédia, deve ser censurado. Mas ate estas imagens são irónicos este vir a celebridades e dos meios de comunicação que comparam tanto a censura ate agora.

Também todos podemos conciliar que resolver a zanga com uma chapada não é uma ação louvável fim não justificável ou meio. A ação de Will Smith não defendeu a honra da sua mulher, apenas a envergonhou a ela e a si mesma. Descontrolou-se. Quem não tem auto-domínio mas está à mercê das suas emoções, não faz coisas nobres e altas.

No entanto, é um caso complexo e toca em vários assuntos de base. Uma pesquisa feita pela Blue Rose Research divulgada na terça-feira

Da cerimônia que 52,3% dos americanos acham que Chris Rock agiu mal, cerca de 47,7% acham que Will Smith agiu mal. A surveym não incluiu os indecisos.

Parece haver umas noções muito ténues de amor e matrimónio, por mais ferido e distorcido que parece ser. Um marido atento defensor a honra do nome de sua esposa, uma mulher vulnerável e doente perante uma imagem clara e de mau tom de sua esposa, ainda clara e descontrolada.

Duas noções, matrimônio e amor, estão muito esquecidas em nossa sociedade, mas Estas especialmente em Hollywood. Will e Jada Pinkett Smith estão casados ​​há 25 anos e são dos raríssimos, mesmo raríssimos, atores com tantos anos de casamento. Há sobre a suposta falta de monogamia no casamento, mas na verdade não os comunicadores e não é claro. Chris Rock esteve casado 18 anos e quando se divorciou explicou publicamente que traiu a mulher com três mulheres. De “conselhos de dinheiro” entre piadas, ao seu amigo John Mulaney, que se divorcia no ano passado, gozando perdido muito com o seu dinheiro escondido.

Trabalho acima de família?

Em 2021, uma taxa projetada de oferta nos EU fé de 45% e de 58,7% em Portugal, a segunda mais alta na Europa. Há diversas razões que muitas vezes podem ser consideradas, mas uma delas é clara, a valorização do casamento e da família muitas vezes em prol do trabalho.

Os atores nos Óscares estavam “entre colegas”. Quase em trabalho. Qual é o mal de uma piadinha sobre a mulher de um deles? Sobre um dos casamentos mais eficazes (e também mais vulneráveis, que

atravessa esse momento de doença) daquela sala. Vinda de um homem divorciado e com muita experiência de infidelidade. Qual o problema de uma piada, colega?

Recentemente, a gripe expulsou literalmente dum grupo Whatsapp de colegas de faculdade do meu marido. Faith sob o pretexto de ser só para os colegas de outro grupo, embora possa ter havido outros fatores. Achie interessante o comentário da minha amiga americana, com sua perspectiva cultural de fora, “Que chatice não verem marido e mulher como uma unidade. É por isso que a infidelidade está tão alastrada em Portugal.”

Felicidade acima de fidelidade?

Realmente, é verdade que marido e mulher formam uma só carne e são uma unidade. Essa relação é a base da criação duma nova família, ea base da sociedade mais preciosa e com mais necessidade de defesa. O matrimónio não está ao mesmo nível nem é comparável ao trabalho. Os empregos sim, podem trocar-se, podem haver “traições” e colegas em que “não se confia”. Estamos lá para servier, para contribuir para a sociedade, para pôr os talentos ao serviço e não estamos casados ​​com o trabalho. O trabalho não reflete a nossa identidade mais profunda. Mas superficiais.

Muitos dependem da sua auto-valorização e identidade do trabalho. E quantas infidelidades no casamento não começaram no trabalho? Com colegas, com chefs? É preciso guardar muito bem a vida íntima do casal, não deixar ninguém meter uma colher, nem o trabalho nem o Chris Rock.

“Fiel é nome de cão”, disse-me entre risos quando cheguei a Portugal. Realmente o matrimônio e a fidelidade valer um

pouco menos em Portugal do que outros sítios. Veja o quanto é importante para os americanos saberem da vida privada dos políticos. Quantos casamentos já teve, se traiu ou não, é importante saber quem vai servir o país, num cargo público. Até é rotina perguntar diretamente numa entrevista a um candidatureo se para uma função alta do governo. Em Portugal, não se sabe nem se quer saber da vida privada e amorosa dos políticos. Nem de ninguém. Nada interessado, não existe código ético, desde que seja “feliz”.

Will Smith deu uma chapada à antiga, à homem embriagado num bar britânico, para defender a honra da sua mulher. Chris Rock não esteve bem, Will Smith também não esteve bem. Poder ter defendido a sua mulher duma maneira que se sacrifica a si. Podia ter saído da sala e não ter sido designado por exemplo, para o seu Óscar.

No meio de todos estes erros, persiste um raio de luz que 52.3% não consegue descartar. Will Smith tenta defender uma sua mulher, por mais descontrolada e vergonhosa que tenha sido uma formação. Valorizou o seu casamento, por mais ferido e compromisso que possa estar, perante os colegas e perante um mundo hostil. Todos os casamentos, mesmo os que parecem falhados, são dignos de serem defendidos. Denzel Washington com um casamento exemplar 38 anos, acidentado de Will Smith depois do incidente, e Will Smith acusado de incidente no seu discurso. Denzel terá aqui, “No teu momento mais alto tem cuidado, é aí quando o diabo te procura.”

Todos somos-nos-nos e feitos de barro, por vezes cometemos erros de controle. Will Smith estava no momento mais alto, próximo a receber um Óscar, foi esperado e seu momento mais alto. Mas o seu esforço por defender a sua mulher doente e seu casamento, por mais distorcido que tenha sido, deixou um marco e uma ansiedade em muitos corações.

Leave a Comment

Your email address will not be published.