“We Own This City”: uma nova série obrigatória para todos os fãs de “The Wire”

“We Own This City”: uma nova série obrigatória para todos os fãs de “The Wire”

É do mesmo criador e centra-se no crime em Baltimore. O grande foco os maus tratos das autoridades e são do sistema.

Jon Bernthal é o protagonista.

Entre 2002 e 2008, “O Fio” afirmou-se como uma das melhores séries de televisão sempre. Desde então, milhares (ou milhões) de fãs por todo o mundo têm implorado ao criador David Simon para que este universo regride à HBO.

Apesar de Simon ter criado outras séries para uma plataforma ao longo dos anos, nunca regressou ao ambiente de “The Wire”. Pelo menos agora. Esta terça-feira, 26 de abril, estreia “Nós possuímos esta cidade” na HBO Max.

É uma produção de seis semelhanças com muitas semelhanças à aclamada serie. Afinal, passou na mesma cidade de Baltimore e central-se na polícia e no mundo do crime — sobretudo do tráfico de droga. Esta não é uma sequela assumida, mas podia passar-se daquele universo.

A narrativa é inspirada diretamente em fatos reais, e baseada no livro homônimo de não ficção de Justin Fenton. Acompanha Wayne Jenkins (Jon Bernthal), a implacável polícia corrupto de Baltimore que, na vida real, se encontra atrás das notas. Aconteceu antes e depois do assassinato de Freddie Gray, um jovem afro-americano que morreu em 2015 enquanto estava sub policial.

Jenkins liderará uma unidade de elite Gun Trace Task Force. A drogas, e tiravam as armas, as armas e as ruas, influenciando vários parâmetros estatísticos. Os bons superiores quase não conhecem os resultados, mas não conhecem a seus conhecidos — ou não conhecem os resultados venerados — forma como atuavam.

Não tinha quaisquer escrúpulos nem problemas em leis e direitos civis. Mas: roubaram dinheiro e inocentes, drogaram com sujo ou como próprios. Mascaravam tudo aquilo que acontecia através da papelada que preenchiam.

“We Own This City” é sobre este grupo de polícias corruptos que vive em total impunidade. Mas também é acerca do sistema e das instituições que todos os dias permitem que as situações como esta ocorram. David Simon argumentou que a cultura sequer na América é profundamente errada, que está doente — e nem há grandes vestígios de esperança nesta história.

Existem personagens do outro lado do espectro, claro. Como advogada do departamento de justiça Nicole Steele (Wunmi Mosaku) eo antigo polícia, agora professor, Brian Grabler (Tratar Williams), que oferece ultra perspectiva.

O elenco ainda inclui Dagmara Dominczyk, Don Harvey, Domenick Lombardozzi, Gabrielle Carteris, Delaney Williams Onde Jermaine Crawford, entre outros. Todos os seis foram realizados por Reinaldo Marcus Greeno cineasta que dirigiu “King Richard: Para Além do Jogo”.

Carregue na galeria para conhecer outras novidades das plataformas de streaming (e canais de televisão).

Leave a Comment

Your email address will not be published.