Uma vitalidade desesperada | Livros

Muito livros lançados os nossos últimos anos permitem-nos voltar a ler Pier Paolo Pasolini em português. quem sou eu, publicado entre o nosso ano passado, é um longo “poema biobibliográfico” encontrado “entre os papéis do poeta”, cinco anos após o assassínio de Pasolini (1975). Este “reencontro com a escrita de Pasolini, reencontro com tanta da sua escrita, como reencontro com a escrita de Pasolini, reencontrou-se com antecedência com o título de Pasolini. Um Pouco do Meu Sangue é uma breve antologia, da responsabilidade de João Coles (da responsabilidade de João Coles) e que recolheu no quatro do autor, apenas reformulou os poemas num volume a carga do mesmo tradutor e publicado já este ano A Poesia É Uma Mercadoria Inconsumível. Foi um gesto sagaz, da parte da editora discreta Sr Teste, este de coligir no mesmo volume (sóbrio e atraente) poemas e recensões de PPP. Em quem sou eu“Porque passei da literatura ao cinema possível?/ Esta é, entre as perguntas,/ de uma pergunta técnica, numa pergunta possível, pois, que foi para entrevistar uma nova técnica para dizer uma coisa nova,/ ou, pelo contrário, que dizia a mesma coisa, sempre, e por isso/ tinha de mudar de técnica: conforme as variantes da obsessão./ Mas só em parte vu sincero ao dar aquela: / a verdade naquilo que tinha feito até então./ Depois, dei-me contava de/ que não se sabia de uma técnica literária, quase/ pertencente à mesma língua com que se escreve:/ mas era, ela própria, uma língua. ..” (quem sou eu, p.24) Trata-se de um movimento várias vezes explicado por Pasolini e que não seria excessivo estender à coexistência dos versos e da reflexão crítica. Como duas de expressão (termo que desagradaria, por participação, a PPP) e formas foram constantes na sua prática e possível-las compartilhar o espaço de uma antologia assaz proveitoso e adequado, tanto mais que a antologia anterior certa publicada em Portugal se parece encontra-se muito esgotada: poemas (Assírio & Alvim, 2005, trad. Maria Jorge Vilar de Figueiredo), e o contributo pasoliniano para uma reflexão e crítica se encontra arredado há algum tempo das nacionais books: Escritos Corsários. Mapas Luteranas. Uma antologia (Assírio & Alvim, 2006, trad. José Colaço Barreiros); Empirismo Herege (Assírio & Alvim, 1981, trad. Miguel Serras Pereira); Escritos Postumos (Moraes, 1981, trad. Helena Ramos).

Leave a Comment

Your email address will not be published.