“Sem hipocrisias”, Julie Sargento apaixonou-se por uma mulher “lindíssima” – Nacional

Julie Sergeant é uma mulher livre de pensamento, sem preconceitos nem tabus, frontal na forma como aborda a sua sexualidade. Esta não é a primeira vez que fala mente sóbrio o seu lado mais íntimo, de ser ou não bissexual e de ter-se-se com outra mulher e de como continua essa procura pelo conhecimento em relação à sua sexualidade.

Na conversa com Ana Rita Clara, Julie Sargento, 52 anos de idade, recorda essa relação em que se apaixonou, primeiro que tudo o resto, pela pessoa. “Acredito plenamente que se gosta de pessoas e que me atrai, muito mais do que o sexo em si, é a cabeça da pessoa. A pessoa, pela cabeça, levante-se. E depois o sexo é uma consequência do gênero de que a pessoa é”, afirmou a atriz.

O ter-me agradecido com uma mulher foi simplesmente por mim ter apaixonado por uma mulher. Desde sempre houve essa coisa da homossexualidade, os homens dormiam com homens, as mulheres dormiam com mulheres, todos dormiam com todos. As orgias e essas coisas existem desde sempre”, recorda.

Por Julie Sergeant, a orientação sexual de cada um permanecerá cada vez mais esbatida Como tendências das ligações amorosas passam cada vez mais pela essência do indivíduo e cada vez menos pelo gênero.

Tem que ser um homem e uma mulher? Tem que ser um homem e uma mulher para se procriar. Mas procriar não tem nada a ver com o prazer que o sexo pode nos dar. Acho que se gosto de pessoas e eu apaixonei-me por uma mulher que eu acho lindíssima, interessantíssima e viva com ela Durante um ano“, consulte ainda.

Vai estrela de

Leave a Comment

Your email address will not be published.