“O Homem do Norte”: Alexander Skarsgård comprador dominado “blockbuster” saturado de sangue

NA HISTÓRIA: Um épico ‘thriller’ do princípio Viking que explora o quão ao longo de um Viking é capaz de ir para fazer justiça pelo assassino do seu pai.

“O Homem do Norte”: os nossos cinemas a partir de 21 de abril.


Crítica: Daniel Antero

Como orçamentos, espaços féchados e narrativas manía, Robert Eggers foram interpretados por excelentes atores, mas como um dos realizadores do cinema de gênero contemporâneo.

Se em “A Bruxa” XVII para seguir-nos da sua comunidade religiosa, expulsos da sua comunidade religiosa e por um bode demoníaco em “O Farol” sombra da história Maine do século XIX, levou-nos uma família a século XIX, para Willem Dafoe Robert Pattinson ensandecerem com gaivotas e sereias.

Naqueles tempos, Eggers fez com que a definição espiritual e a alucinação se interassem num etéreo, tanto poético, e contaminassem as suas como nossas.

Bem, depois do sucesso destas obras, foi com encanto e intriga que seguimos como primeiras notas de produção de “O Homem do Norte”.

Anunciado como um epico viking, feroz e musculado, repleto de atores de renome – Alexander Skard, Ethan Hawke, Willem Dafoe, Claes Bang, Anya Taylor-Joy, Nicole Kidman e Björk – este novo filme do realizador norte-americano fez par a questão : Blockbus comercial Eggers pronto para um autoral, abraçar e ainda conseguir o seu registro comercial

“O Homem do Norte” é uma ode brutal e sangrenta que vai voltar à vida na saga folclórica nórdica “Vita Amlethi”, influência de Shakespeare e apenas “Hamlet”. A é história- portero, familiar: um conto tenebroso de um carro sempre e, aqui, o lirismo e a teaidade do autor, inglês, mas com o nervo primordial do guerreiro que associamos ser Viking.

” data-title=””O Homem do Norte”: Alexander Skarsgård feroz dominado “blockbuster” saturado de sangue – SAPO Mag”>

Eggers escreveu o guião com o dramaturgo islandês Sjón (Lamb) e imbuiu-se de crueldade, respirando uma violência e autenticidade com sangue-frio. Violações e desmembramentos acontecem em pano de fundo enquanto a beleza dos nossos heróis Amleth (Alexander Skarsgård) e Olga of the Birch Forest (Anya Taylor-Joy) proclamaram uma força sobrenatural e endeusada de Odin e Valhalla, e a representação de um povo.

Preparemo-nos para seguir eventos catárticos, estado de ânimo e cada vez mais acentuados linearidade simplista na narrativa.. que, na verdade, não precisa de serenvolvida. Eggers, com a cinematografia imersiva de Jarin Blaschke, quer que vivamos o quadro de terror pintado a sangue por Amleth: este guerreiro move-se num mundo de brutalidade e Eggers interpreta-o como acreditado e investigando que seria. Mas sem esquecer que, apesar de toda a sua ferocidade, os vikings também mantinham a sua forte espiritualidade. Tal como o realizador e seu cunho autoral.

Leave a Comment

Your email address will not be published.