Conheça as Irmãs Sharma da vida real que inspiraram Bridgerton

Na 2ª temporada de Bridgerton revitalizou a trama da netflix com apresentou dois personagens importantes: Kate e Edwina. Além de se tornarem protagonistas da sociedade em um triângulo amoroso com Anthony, como Sharma serve para simbolizar o papel da cultura indiana na britânica. Muitos fãs não sabem, mas Kate e Edwina são inspirados em figuras da vida real.

Considerada uma das séries mas popular da netflix, Bridgerton foi inspirado na saga literária de Julia Quinn. Cada temporada adapta um dos 8 livros – e o segundo ano, foca na história do primogênito Anthony.

Nossos novos episódios de Bridgerton, o principal objectivo de Anthony é encontrar uma esposa. O personagem de Jonathan Bailey deve se casar com Edwina, mas com o andamento da história, acabando por devolver fortes sentimentos por Kate Sharma.

O site The LA Times explicou tudo que os fãs de Bridgerton preciso sabre sóbrio inspirado na história de Edwina e Kate Sharma na série de Shonda Rhimes; veja abaixo.

O importante papel das Irmãs Sharma em Bridgerton

Na 2ª temporada de Bridgerton é ambientada em 1814, mais de 200 anos depois da criação da Companhia das Índias Orientais.

Na época, a Índia não era uma entidade única, mas sim um subcontinente formado por diversas províncias e estados.

Algumas áreas são violentamente anexadas ao Império Britânico pelo exército mercenário da Companhia das Índias. Outras, como o Império Sikh, podem ser.

“Os complexos laços econômicos entre esses países países trouxeram relações nobres e entre esses países, entre a elite de ambas as sociedades”, disse Hannah Greig, historiadora da Universidade de York e consultora histórica de Bridgerton.

Segundo um especialista, uma sociedade britânica exigiu diversos bens de consumo e produtos de luxo das colônias indianas – o que acabou provocando um grande intercâmbio cultural entre os devidos países.

Disso, de acordo com um historiador Além Durba Ghosh, da Universidade de Cornell, os relacionamentos entre homens europeus e mulheres indianas eram extremamente comuns em todas as etapas do colonialismo.

Os casamentos interraciais – como o de Anthony e Kate em Bridgerton – por outro lado, eram relativamente incomuns.

“Era como um segredo aberto, na maioria dos casos. Os homens viviam relacionamentos e ate geravam filhos nas colônias, mas depois voltavam para a Inglaterra para desposar mulheres ‘etnicamente apropriadas’”, analisou um historiadora.

Conheça as inspirações reais para Edwina e Kate em Bridgerton

Para escrever o livro “Sex and the Family in Colonial History”, um historiadora Durba Gsh pesquisou diversos exemplos de mulheres que – assim como as Irmãs Sharma – circulavam entre a nobreza britânica na época da Regência.

“Vistas, essas mulheres como parte da elite indiana, e por isso, acostumaram-se mais facilmente às expectativas da sociedade britânica”, comenta um especialista.

Uma dessas mulheres era Kitty Kirkpatrick (na foto acima), filha de um influente da Companhia das Índias Orientais. Ela se mudou da cidade indiana de Hyderabad para Londres aos 4 anos, onde viveu em meio a nobreza ate sua morte, em 1889.

Famosa por sua “beleza exotica”, Kitty era a musa do filósofo escocês Thomas Carlyle, um influente pensador do século XIX.

Outra figura histórica que inspirou um enredo das Irmãs Sharma em Bridgerton É Elizabeth Ducarel.

Nascida Sharaf-un-nissa, Elizabeth mudou de nome ao imigrante para a Inglaterra com o marido Gerard Gustavus Ducarel, um supervisor de províncias da Companhia das Índias Orientais.

Com Gerard, Elizabeth teve 6 filhos. Ela também era conhecida como uma figura ativa na sociedade, que circulava entre a elite inglesa.

“É que todas essas mulheres adotam nomes importantes. O fato das irmãs permanecerem em nome indiano, é no mínimosh, analisado Durba Gho.

A 2ª temporada de Bridgertoncom Kate e Edwina Sharma, está disponível na netflix.

Leave a Comment

Your email address will not be published.