‘Como Matar a Besta’ mistura fantasia e drama na bordereira Brasil-Argentina – 28/04/2022

A diretora argentina Agustina San Martín fé premiada em Cannes em 2019 com um curta-metagram. Agora, ela volta ao circuito com a longa “Como Matar a Besta”, coprodução com o Brasil e o Chile.

A história acompanha Em religiosa (a estreante Tamara Rocca), uma jovem de 17 anos que chega a uma cidade fortemente numa região fronteiriça em busca do irmão desaparecido.

Na cidade, ela fica hospedada na casa de uma tia (Ana Brun), próxima a uma floresta onde, diz-se, uma will make apareceu semanas antes. A lenda conta que a besta é um homem mau que se forma de diversos, e Emilia terá que enfrentar seus próprios medos e traumas do passado para alcançar seus animais.

Obra Lynchiana?

Para a diretora, o filme traz combinações entre realidade e fantasia, e chegou a ser comparado como obras de David Lynch em para o público e a imprensa internacional no festival de Toronto (TIFF).

‘Como Matar a Besta’

Imagem: Divulgação

“Sempre gostei de inventar mundos. Sempre achei a ficção mais empolgante do que a vida real, por isso sempre gostei de filmes de terror”, afirmou, revelando também que busca inspirações em todo o mundo.

“Eu me recuso a ser uma coisa única. E, embora eu ame a Argentina e seu cinema, tento fazer apenas o exercício de me imaginar não-argentina. Fazer filmes apenas em espanhol é uma limitação”, explicou.

“Vejo filmes de diversos países, e eu amo o cinema exatamente por isso. Posso simpatizar com histórias e pessoas de outros lugares completamente diferentes de onde moro. ser humano.”

Leave a Comment

Your email address will not be published.