Adolescente de 16 anos morre após passar mal em festa rave

Adrielly tinha 16 anos

| Foto: Reprodução TV Tribuna/SBT

Uma adolescente, 16 anos, mais depois de passar mal em uma festa rave, no final de semana em Vila Velha. A estudante Adrielly Duarte não estava no festival de música eletrônica com amigos quando se sentir mal e fé levada por todos os participantes do evento no posto médico, porém morreu de ser levada ao hospital. Segundo a família da estudante, uma overdose de fé por causa da morte.

À minha adolescente Rosimere Duarte, revela que um laudo, que produz várias substâncias como e Maria e outras drogas sintéticas encontradas no organismo de Adrielly. “Ainda injetaram algo no braço dela”, afirmou ela.

Adrielly morava com a mãe em Governador Valadares, Minas Gerais, mas viajar ao Estado para ficar com a irmã mais velha, que mora em Cariacica. Em vislumbrou um TV Tribuna/SBTMaria Rosemary contorno que na noite de sábado (23) fé a última vez que ela teve contato com a filha.

“Liguei para ela era 7:30 p.m. e onde: ‘Adrielly, você está?’. Falei: ‘mãe: ‘você está de brincadeira’. Você não pode perder a passagem amanhã.’ Ela diz: ‘não, mãe, não vou a passagem, vou viajar, já que vou estudar direitinho falei que vou fazer tudo direitinho’ Falei: ‘Adrielly, julgamento, você sabe que não perder esse gosto tipo de coisa, você sai daí o mais rápido que consertar e arrumar suas coisas'”, relata Maria Rosemary.

No domingo (24), a mãe tentou contato com a filha. Ela enviou mensagens pedindo que uma adolescente ligasse antes de começar a viagem de volta para Minas Gerais. As horas passando e Adrially não respondeu. Em determinado momento do dia, a filha mais velha de Maria Rosemary escolheu se ela tinha notícias do estudante. Foi quando ela soube que a filha se sensu mal na festa. “Mãe, ligaram para cá e falaram que estava tendo overdose de Adrielly”, lembrou Maria Rosemary sobre como notícia da filha.

Laudo da equipe médica do evento

Laudo da equipe médica do evento

| Foto: Reprodução TV Tribuna/SBT

Um laudo da equipe médica que Adrielly aguardava informava que um adolescente havia entrado em um posto médico às 11h55 de domingo. “A paciente não identificou com sinais de sudorese, ocorreu 92% de saturação, Glasgow11, pacienteda, apresentada em quadro responsivo com abertura ocular espontânea, com baixa de inconsciência”, descreve o laudo.

O documento ainda informa meio-dia, a adolescente que foi levada a oferta com a oferta da UPA do bairro Riviera da Barra. Ela chegou a servir ao município ao Hospital Antônio Bezerra Faria, no mesmo morreu.

Nas redes sociais, um rapaz diz que viu Adrielly se sentindo mal e socorreu. “Eu nem cheguei a ela, estava indo para o posto médico.

Mensagem de jovem que socorreu Adrielly

Mensagem de jovem que socorreu Adrielly

| Foto: Reprodução TV Tribuna/SBT

“Me sinto culpada”

A mãe de Danielly disse que a filha usou o documento falso para entrar no evento. “Como que uma menina de 16 anos entra dentro de uma rave com identidade falsa?”, questionou ela.

Maria Rosimere desabafou após sua morte

Maria Rosimere desabafou após sua morte

| Foto: Reprodução TV Tribuna/SBT

“Mataram minha filha e ficou por isso, todo mundo correu e deixou minha filha sozinha”, desabafou ela.

Maria Rosemary veio de Governador Valadares para o Estado para o velório e sepultamento da filha, que aconteceu no cemitério municipal Jardim da Saudade, em Cariacica. “Me sentindo culpada. Não tem dor maior no mundo do que entrar em um filho. Enterrei minha mãe há 8 meses e agora estou enterrado minha fila de 16 anos”, lamentou.

Em vislumbrou um TV Tribuna/SBTum organizador do evento garante que o festival estava regularizado e que a festa não permitia a entrada de menores de idade.

Leave a Comment

Your email address will not be published.